Artigos

Perspectivas para 2013 – Um Estudo de Astrologia Mundial

Celisa Beranger em 3 de janeiro de 2013

Clique aqui para ver a apresentação em Powerpoint no formato PDF e aguarde.

Devemos recordar que em 2008, ao entrar em Capricórnio, Plutão inaugurou o clima cardinal, um tempo extremamente marcante, de crises e grandes mudanças em termos econômicos, políticos e sociais. A quadratura T de 2010 reforçou o clima e a quadratura Urano/Plutão o leva até 2015.

A quadratura promove um período turbulento, mas extremamente importante porque leva a humanidade a uma grande transformação. Podemos afirmar que temos o privilégio de estarmos participando do desenrolar da história.

A metade do período da quadratura já foi ultrapassada, uma vez que, ela teve inicio em 2010, na marcante quadratura T. Porém os dois primeiros aspectos exatos Urano/Plutão só ocorreram em 2012, mas ainda faltam cinco. Em 2013 ocorrerão dois (20 de maio e 01 de novembro), em 2014 outros dois e o último será em 2015.

Nestes tempos desafiadores, perigosos e inquietantes forças evolutivas poderosas pressionam a derrubada de uma velha ordem para que uma nova ordem possa nascer visando à inclusão de concepções novas e também de minorias. Nestes tempos também a natureza libera suas forças mostrando seu poder superior ao dos homens.

O grande problema é que estas forças não são controláveis e promovem incertezas e perigos a princípio inacreditáveis, como se de vez em quando pudéssemos chegar à beira de um precipício.

Ocorrem situações repentinas que surpreendem e obrigam a decisões rápidas e também a adaptações, como fez Barack Obama, que soube se colocar com relação à tempestade Sandy e possivelmente isto o levou à vitória.

Vamos relembrar algumas das questões relativas à quadratura Urano/Plutão já constatadas nos três últimos anos:

Aceleração e intensificação das mudanças.

Está no ar uma grande indignação. Há ânsia de liberdade com relação ao poder constituído.

O fortalecimento e a radicalização dos movimentos de massa em protestos contra os governos para derrubar lideres opressores ou por injustiça ou por desigualdade social. E o consequente aumento da repressão.

Movimentos também contra grandes empresas identificadas como opressoras.

O uso das redes sociais para convocação de manifestações, descartando a necessidade de lideranças.

Aumento da participação dos jovens na política.

A força adquirida pelas minorias étnicas ou sexuais.

A intensificação das mudanças climáticas ocasionando o aumento do ativismo ecológico. Porém a grande maioria, inclusive governos como China e EUA, ainda não atingiu o nível de preocupação necessário.

A liberação das forças da natureza provocando um número maior de terremotos, tornados, furacões, erupções vulcânicas, tempestades e as consequentes inundações, colocando em perigo a vida de muitos. Estes desastres também levam a movimentos coletivos de ajuda, especialmente com a presença de Netuno em Peixes. Em Nova York o grupo Occupy Wall Street também se mobilizou para ajuda aos atingidos pela tempestade Sandy.

Grandes desastres tecnológicos com consequências ecológicas e a busca por fontes de energia mais limpa.

Intensificação dos ataques cibernéticos, que também podem levar a verdadeiras guerras.

Porém, um dos perigos mais graves é a ameaça da tecnologia nuclear e de suas armas de destruição.

Finalmente a crise financeira. Sabíamos que a quadratura intensificaria a crise e dificultaria sua recuperação, especialmente no caso de governos com déficits elevados. Podemos resumir a crise financeira em 2012 da seguinte forma;

A União Europeia encerra o ano em recessão, com alto nível de desemprego, 11,7%. Grécia e Espanha ultrapassaram os 25%.

Os EUA ensaiam uma leve recuperação, mas o desemprego ainda é alto e o abismo fiscal só foi impedido no último momento. Mas até fevereiro ainda será preciso aprovar o aumento do teto da dívida.

Os emergentes como China, Índia e especialmente o Brasil, cujo PIB foi um tombo e o resultado da balança comercial foi o pior desde 2002, tiveram seu crescimento desacelerado.

A volatilidade dos mercados

Trígono Saturno/Netuno promove esperanças em 2013

A primeira aproximação teve início no final de 2011 e contribuiu para a solução em momentos de grande perigo, especialmente com relação ao euro. Os dois últimos aspectos exatos ocorrerão em 11 de junho, 5º22’ Escorpião/Peixes, e 19 de julho, 4º55’, e serão ampliados por Júpiter.

O trígono promove esperanças porque conjuga visão e organização, inspiração e prática, fé e realidade. Mobiliza o esforço conjunto para promover o entendimento através da aceitação das diferenças visando a união de modo organizado. Também possibilita medidas políticas que considerem os fatores sociais e medidas governamentais relativas ao cuidado da saúde e da poluição dos mares.

Júpiter e Marte em 2013

Estes dois planetas terão um papel muito importante tanto na ativação da quadratura Urano/Plutão e como do trígono Saturno/Netuno.

Marte entra em Áries em 12 de março e marca o Equinócio formando uma perigosa quadratura T com Urano e Plutão.

Em 13 de julho Marte entra em Câncer e encontra Júpiter em 22 de julho.

Júpiter entra em Câncer em 26 de junho e em sua passagem pelo signo mobiliza a importância da  família e seus vínculos. Em termos de aspectos, com o apoio de Marte, amplia o trígono Saturno/Netuno formando o grande trígono de água. Porém, em seguida, expande a quadratura Urano/Plutão, formando em agosto a primeira das 02 quadraturas T cardinais.

Esta figura mobilizará perigosamente o clima cardinal podendo promover acontecimentos repentinos de grande risco já prometidos no mapa do Equinócio de Áries, incentivando audácia, risco e extremismo. Isto pode acelerar e até levar ao estouro de situações já em crise, seja em termos de contestação da ordem, conflitos ou até questões econômicas.

Saturno e Plutão em mútua recepção e sextil decrescente.

Embora fraco como aspecto, o sextil fortalece a mútua recepção. Esta ligação favorece a constatação dos problemas, o foco no essencial e na  busca de soluções que permitam correção e reparo. Um exemplo disto acaba de ocorrer nos Estados Unidos para impedir o abismo fiscal.

O primeiro aspecto exato foi em 26 de dezembro de 2012 e os dois de 2013 ocorrem em 08 de março e 21 de setembro.

Ciclo de 11 anos das Manchas Solares

Um fator marcante que precisa ser ressaltado em 2013 é a culminação do ciclo das manchas solares, no mês de maio. As manchas são áreas de intensa atividade magnética, que em ocasiões de pico levam o Sol à sua atividade máxima promovendo explosões que provocam o vento solar, protuberâncias eruptivas, labaredas e bolhas de gás.

Na verdade certo contexto de pico foi constatado em 2012, quando ocorreram algumas explosões, mas nenhuma tão forte a ponto de provocar as consequências mais problemáticas: desligamento de linhas de transmissão de energia na Terra que causam blecautes ou interferência no funcionamento de satélites e afetam ou impedem as comunicações. Porém, ocorreram duas belíssimas auroras boreais.

O percurso Urano e Plutão em 2013 e os países que serão ativados.

Urano começa o ano em 4º46’, chega a 12º31’ em 17 de julho quando retrograda e volta  até 8º35’ de Áries. Fica direto em 17 de dezembro e termina o ano em 8º40’.

Plutão começa o ano em 9º19’, chega a 11º35’ em 12 de abril quando retrograda e retorna  a 8º59’ de Capricórnio. Fica direto em 20 de setembro e termina o ano em 11º13’.

Primeira quadratura 20 de maio em 11º14’.
Segunda em 1º de novembro em 09º26’.

Desde 2008 vimos listando países com posições no começo dos signos cardinais, portanto ativados pela quadratura Urano/Plutão. Atualizamos a lista para 2013 e incluímos posições em signos fixos que serão ativados por Saturno.

Argentina – Vênus 11º de Câncer
Brasil República – Júpiter 8º de Capricórnio
Colômbia – Vênus 11º de Capricórnio
Coréia do Norte – Mercúrio 9º de Libra e Netuno 11º (Marte 4º Escorpião)
Egito – Plutão 8º de Câncer
Espanha – Plutão 10º de Libra e Lua 11º de Câncer
Grécia – Plutão 7º  Áries (Sol 14º Aquário e Saturno 14º de Leão)
Índia – Netuno 9º de Libra (stellium em Leão 6 a 21º)
Israel – Netuno 10º de Libra (Plutão 12º e Saturno 16º de Leão)
Paquistão – Netuno 9º de Libra (stellium em Leão 6 a 21º)
Turquia – Marte 7º de Libra

Na lista acima não incluímos os países com o Sol por volta do grau 10 dos signos cardinais, que serão apresentados a seguir.  São países importantes e receberão a forte ativação da quadratura (ver mapas no PowerPoint).

Vejamos em primeiro lugar como a quadratura atuou em 2012 no mapa da China, uma vez que, no ano passado havíamos ressaltado a forte ativação do Sol natal, em 7º47’de Libra, em quadratura com Urano em 4º 59’de Câncer. A China esteve na mídia durante todo o ano: começou pela questão diplomática com os EUA por causa de um dissidente, depois a corrupção e o corte do líder Bo Xilai, até então o mais cotado para o Politiburo. Também ocorreu a disputa das ilhas com Japão e Taiwan. Porém, o mais importante foi a exposição da desigualdade, em um sistema que se propõe igualitário, através das muitas revoltas e greves no interior do país. Em novembro, a mudança no comando do Politiburo ocorreu sem novos problemas, mas no início de dezembro 73 acadêmicos divulgaram um ousado manifesto advertindo a liderança chinesa do risco de uma “violenta revolução” se o governo não responder  às pressões públicas  e realizar reformas. É preciso lembrar que Urano ainda está em quadratura com Urano Natal e fará  a última oposição ao Sol em março.

De qualquer modo a quadratura Urano/Plutão irá ativar o ponto médio Sol/Mercúrio e para completar, no final do ano, Saturno fará quadratura com a conjunção Marte/Plutão – 14º e 17º de Leão, e isto é muito duro. Portanto, a pressão popular continuará a aumentar e os problemas externos poderão reaparecer.

Em segundo lugar a Rússia, com o Sol em 8º de Capricórnio, apareceu muito nos protestos contra a eleição de Putin e depois na prisão do grupo Pussy Cat.

Síria 9º22’ de Capricórnio – Plutão fez a primeira conjunção em maio bem na ocasião do massacre de Houla e por isto as Nações Unidas declararam o estado de guerra civil.

No mundo ocidental França e Reino Unido já reconheceram os rebeldes como representantes de um novo projeto de governo para o país.

Em 2013, além da quadratura Urano/Plutão atuar sobre o Sol, Netuno fará quadratura com a conjunção Marte/Urano em 5º de Gêmeos.

O regime de Bashar al Assad deverá chegar ao fim.

Alemanha 9º29’ de Libra (quadratura Netuno 11º 49’ de Capricórnio). Ainda há ameaça de recessão e as tensões sociais deverão aumentar. As eleições no final de 2013 não deverão favorecer a premier Angela Merkel, que possui um stellium em Câncer começando por Mercúrio no grau 9.

Reino Unido 10º 10’ de Capricórnio. Além da quadratura, observamos que no início do ano Saturno vai estacionar do grau 11 e permanecerá em oposição ao Marte natal, em 11º de Touro, durante os três primeiros meses do ano, esta condição é de alta tensão.

Irã (proclamação da República Islâmica) 11º06’ de Áries (oposição Plutão em 18º de Libra). A importância do Irã se deve às suas reservas de petróleo. O país que tiver o controle sobre elas tem posição de força com relação às políticas de energia. Mas há possibilidade de revoltas internas e tensões externas, possivelmente com Israel. Este haverão eleições e o Conselho Religioso não está satisfeito com o presidente Ahmadinejad

União Européia 10º de Capricórnio (utilizando o mapa de 31/12/1957 às 23hs Bruxelas).

Sem dúvida, a promessa do presidente do Banco Central Europeu de fazer “o que for necessário para manter a zona do euro funcionando” diminuiu o risco de ruptura, mas ainda são esperadas tensões em termos sociais e econômicos. Para promover as correções necessárias será preciso considerar e enfrentar as diferenças. Apesar dos esforços não está eliminada a possibilidade de alguma dentre as economias mais frágeis deixarem o euro, cujo Sol é o mesmo da União Europeia.

Alguns economistas, como o inglês Roger Bootel, afirmam que deixar a moeda única é a melhor saída para alguns países. Bootel foi premiado por seu trabalho “Saída do Euro: um guia prático”, no qual explica em detalhes o plano para retirada da moeda única.

Como citamos antes, desde a primeira aproximação no final de 2011, o trígono Saturno/Netuno contribuiu para o esforço para o entendimento e aceitação das diferenças.  Em outubro passado, logo após o primeiro trígono exato, dia 05, a União Europeia foi agraciada com  o prêmio Nobel da Paz em função do esforço para paz e união.

Em 2013 ocorrerá também o trígono decrescente de Júpiter com Saturno que deverá contribuir de modo positivo, uma vez que, historicamente a Europa está ligada ao ciclo destes planetas e seus bons aspectos costumam possibilitar o desenvolvimento econômico e social do continente.

Governo Dilma – 10º55’ de Capricórnio

Nossa presidente deverá enfrentar tensões e mudanças em seu governo. Além do mais, como o Real foi criado em 1º de julho de 1994, possui o Sol em 9º04’ de Câncer e ainda poderá ser desvalorizado. Também a inflação deverá continuar a ameaçar.

França 11º de Libra (conjunção a Mercúrio)

O presidente François Hollande terá que tomar medidas mais duras e encontrará resistência. É possível que o trígono crescente de Júpiter com Netuno promova alguma ajuda porque como a 5ª República foi criada na conjunção Júpiter/Netuno ela responde aos aspectos do ciclo.

Estados Unidos 13º 19’ de Câncer (quadratura Saturno 14º de Libra).

A quadratura se aproxima, mas não chega à exatidão, que só acontecerá em 2014. De qualquer modo o segundo mandato de Obama será difícil. A Câmara está nas mãos dos republicanos e acabamos de constatar a grande dificuldade para impedir o abismo fiscal. A aprovação do aumento do teto da dívida deverá passar pelo mesmo risco porque Urano continua em quadratura com o Júpiter natal.

Porém, Netuno e Saturno favorecerão Vênus e Júpiter natais formando um grande  trígono, em junho e julho, com a participação de  Júpiter,  que na ocasião fará mais um retorno e logo após a conjunção ao Sol. Haverá distensão e até possibilidade de entendimento, que precisam ser aproveitados.

O DESENROLAR DO ANO DE 2013 (ver mapas no PowerPoint)

Solstício de Capricórnio (21 de dezembro de 2012 às 09:13 h – Brasília)

Começamos pelo mapa do Solstício de Capricórnio, que recebeu grande destaque em função da questão da incorreta interpretação do calendário maia.

Segundo a aplicação de 16 regras antigas este mapa leva à definição do regente do ano  civil para o país. O regente geral do ano, divulgado por alguns, é retirado de uma tabela para a qual existem duas versões, e por este motivo não deveria ser levado em consideração.

Podemos observar no mapa do Solstício que a quadratura do Sol com Urano, em 4º de Áries, ainda está presente com seus imprevistos e reviravoltas, embora não tenha a relevância do Solstício de Capricórnio de 2011, quando estava exata. De qualquer modo estamos acompanhando questões relativas a dirigentes, como é o caso da doença do presidente Hugo Chávez.

De qualquer modo o mapa apresenta também um yod no grau 8 envolvendo Júpiter em Gêmeos, Saturno em Escorpião e Plutão em Capricórnio. Também conhecido como “dedo de deus”, esta figura costuma indicar situações fora de controle, nas quais o resultado pode ser diferente do esperado. Júpiter pode ampliar as reformas necessárias indicadas pelo sextil decrescente do ciclo Saturno/Plutão, mas com o risco de tirá-las do controle.

Para o Brasil, a presença de Saturno no Meio do Céu repete o Equinócio de Áries de 2012, apontando para dificuldades e esforço para o governo. Segundo as regras antigas Saturno é o planeta mais forte no mapa do Solstício elaborado para Brasília e por este motivo é o regente do ano civil para o Brasil. Esta condição prolonga as promessas em termos de esforço e dificuldades, especialmente no contexto governamental. Se não fosse pelo Solstício elas deveriam permanecer apenas até o Equinócio de março.

É importante observar que o sextil Saturno/Plutão do mapa está ligado ao Saturno em 9º56’ de Touro, na casa 3, do mapa da Independência do Brasil. Saturno faz oposição e Plutão trígono, praticamente durante todo o ano.  A oposição ressalta as dificuldades e erros principalmente em termos de educação, transportes e comunicação de modo a forçar as correções necessárias. O trígono de Plutão a Saturno pode indicar os meios, mas também aponta para o enxugamento da máquina administrativa. Além do mais, também favorece uma reforma tributária.

Podemos notar também que a força da casa 11 neste mapa, com a presença de Vênus, Mercúrio e Sol, enfatiza as relações com o Congresso Nacional e também com as nações amigas distantes.

Utilizando a astrocartografia as linhas do Sol e Plutão no Meio do Céu cortam a zona do euro e também a linha de Urano no Ascendente.  Marte no Meio do Céu passa por uma zona belicosa, Turquia, Síria, Iraque e Arábia Saudita. Um paran (cruzamento de linhas) com Saturno Ascendente ocorre bem na fronteira Síria/Iraque. A linha de Urano no Fundo do Céu passa por Washington e isto indica oposição ao governo. Por isto sabíamos que seria muito difícil  a negociação para evitar o abismo fiscal.

O começo de 2013 apresenta diversas concentrações de 5 astros:

Em 10 de janeiro, em Capricórnio, ressalta a presença de Plutão no signo e a quadratura com Urano.

A Lua Nova do dia 10 de fevereiro, em 21º45 de Aquário apresenta cinco astros neste signo. Por ser a terceira Lua Nova após o eclipse do Sol de 13 de novembro de 2012, em  21º de Escorpião, o grau é mobilizado por quadratura. É possível que surja alguma questão relativa a Israel, cujo Sol em 23º de Touro foi fortemente mobilizado na ocasião do eclipse, que possivelmente contribuiu para a contrariedade do país com a aprovação na ONU da participação da Palestina como Estado Observador.

Em 25 de fevereiro a concentração em Peixes  ressalta a presença de Netuno e seu trígono com Saturno.

Mas a segunda concentração em Peixes, entre 10 e 12 de março, será ainda mais relevante: Sol, Lua, Mercúrio, Vênus, Marte e Netuno. Mais de cinco astros em um mesmo signo não é comum e enfatiza os princípios do signo de modo mais duradouro.  A participação de Netuno, regente de Peixes, fortalece ainda mais o conjunto promovendo uma realidade paralela e contrária à da quadratura Urano/Plutão. A busca pela beleza (que favorece as artes), paz, tranquilidade, entendimento, compaixão, cuidado, caridade e transcendência.  O trígono com Saturno em Escorpião favorece o esforço para a concretização dos ideais buscados, mas a quadratura com Júpiter em Gêmeos mobiliza os defeitos: credulidade, ilusão, escapismo através de drogas ou álcool e as grandes águas, chuvas e inundações.

Equinócio de Áries (20 de março de 2013 às 8:03h Brasília)

No dia 13 de março Marte entra em Áries a caminho da quadratura T com Urano e Plutão que marca o Equinócio e dá início ao ano astrológico.

 

Previs1

O mapa apresenta muitos aspectos formando três figuras. Uma quadratura T cardinal envolvendo Lua, Marte/Urano e Plutão, um grande trígono de água envolvendo Lua, Saturno, Mercúrio  e Netuno e  o yod  envolvendo Júpiter, Saturno e Plutão (repetindo a figura já presente no Solstício de Capricórnio).

O Sol está em conjunção separativa com Vênus em Peixes e aproximativa com Marte em Áries e Marte está em conjunção com Urano.

A participação de Marte torna a figura perigosa devido à tendência à impulsividade e violência. Repentinamente poderão ocorrer conflitos armados, revoltas, golpes, movimentos extremistas, atentados, acidentes, explosões e incêndios. A figura também  desfavorece as bolsas.

Felizmente também está presente o grande trígono de água que promove esperança, distensão e ponderação visando o entendimento.

O yod repete o já citado no Solstício.

Para o Brasil, as presenças de Vênus, Sol, Marte e Urano na casa 12 prometem provas e dificuldades, também há possibilidade de problemas em locais de isolamento tais como hospitais e prisões. As tensões com as casas 3 e 9 podem indicar acidentes envolvendo muitas pessoas e ainda problemas nas relações com países estrangeiros, próximos e distantes. Seguramente a Argentina é um deles porque também será mobilizada pelas tensões.

A presença de Júpiter na casa 2 favorece a economia, mas é preciso cuidado com a euforia porque ele é focal do yod e os problemas externos continuarão.

Através da Astrocartografia podemos observar as tensões que envolverão a Europa, pois a linha Marte/Urano no Meio do Céu passa pela Grécia, Bulgária, Romênia, Eslováquia etc. Também o centro da África é cortado por esta linha. A linha de Plutão Ascendente e Lua Descendente também corta o continente europeu passando por Londres, Paris e Genebra. A Argentina também será mobilizada pelas tensões: a linha Descendente Marte/Urano passa pela América do Sul, cruzando o país ponta a ponta, também a linha de Plutão no Meio do Céu passa por lá. Outro país cruzado por estas duas linhas é a China: Marte/Urano Descendente passa bem próxima a Beijing e também a linha de Plutão no Fundo do Céu. A linha Marte/Urano também cruza a Indonésia.

A Lua Cheia de 27 de março, em 06º02’ de Libra, deverá ser marcante porque fecha a quadratura T com Urano e Plutão e este estará em quadratura exata com Marte.

A Lua nova de 10 de abril apresenta uma nova concentração, desta vez em Áries, reforçando a presença de Urano e sua quadratura com /Plutão

Eclipses Abril/Maio

O primeiro conjunto de eclipses do ano será marcado pela quadratura exata Urano/Plutão de 20 de maio.  Em função do ciclo de Saros, um eclipse lunar precede e outro sucede o eclipse solar.

Eclipse Parcial da Lua (25 de abril às 17:00h. Brasília), em 05º46’ de Escorpião, faz conjunção a Saturno e  trígono com Netuno. Porém a presença da oposição de Marte à conjunção Lua/Saturno pode perturbar o potencial para  entendimento.

Para o Brasil o eclipse se localiza na casa 9 do mapa da Independência em conjunção a Marte, que por trânsito recebe o trígono de Netuno, favorecendo questões marítimas e a indústria naval ligada ao estrangeiro.

No mapa elaborado para Brasília o reforço na casa 7 aponta para desacordos inclusive em termos de relações internacionais. A presença de Plutão no Fundo o Céu ressalta a oposição ao governo e a possibilidade de problemas no subsolo.

Observando a astrocartografia a linha Sol/Marte no Meio do Céu passa pelos Estados Unidos (São Francisco e Los Angeles) e Canadá (Vancouver). A linha Lua/Saturno Meio do Céu passa pela Rússia, Cazaquistão e Irã.

Eclipse Anular do Sol (09 de maio às 21:25h Brasília),  em 19º31’ de Touro, reativa o eclipse de novembro de 2012, em 21º de Escorpião. Ainda é possível alguma questão relativa a Israel.

Como em novembro, a totalidade será na Austrália, mas desta vez a parcialidade chega à Indonésia.

Para o Brasil o eclipse faz conjunção ao Fundo do Céu do mapa da Independência e quadratura com Vênus. Isto reforça o eclipse da Lua no que se refere a desacordos. A quadratura Plutão/Urano encontra-se nos ângulos apontando para situações que virão à tona e mudanças difíceis que podem afetar a população. A forte concentração na casa 5 enfatiza jogos e especulações. Recordamos a proximidade da copa das Confederações que terá início em 15 de junho.

Utilizando a astrocatografia observamos que a linha de Plutão no Meio do Céu passa pela Rússia, Irã, Arábia Saudita. Urano no Meio do Céu passa por Japão e Austrália.

Eclipse Penumbral da Lua (25 de maio às 01:30h Brasília), em 04º08’ de Sagitário, faz  quadratura com Netuno em Peixes e promete confusões. Este eclipse reativa o eclipse lunar de 13 de dezembro de 2012, em 6º de Gêmeos. O grau do eclipse faz oposição à conjunção Lua/Júpiter do mapa do Brasil em 6º de Gêmeos. Não podemos deixar de lembrar o escândalo da operação Porto Seguro.

A astrocartografia chama atenção para a ativação da China e dos Estados Unidos. As linhas de Sol e Marte no Meio do Céu cortam a  China e Sol e Marte no  Fundo do Céu  passam por Washington nos EUA.  Alguma tensão deverá ocorrer.

Em  junho e julho o melhor

Nestes dois meses a força do trígono Saturno/Netuno estará ressaltada. Os dois trígonos exatos ocorrem em 11 de junho e 19 de julho. Em junho há o reforço do Solstício de Câncer e em julho a ampliação de Júpiter.

Solstício de Câncer (21 de junho às 2:05h  Brasília)

È o ingresso mais favorável do ano. O Sol em conjunção separativa com Júpiter, ainda em Gêmeos, forma o grande trígono de água com Saturno e Netuno. Apesar da presença da quadratura Urano/Plutão a força do grande trígono é um alento de esperança e distensão para o entendimento e também para medidas que considerem os fatores sociais.

Para Brasília a presença de Sol e Júpiter na casa 3 favorece a educação,  os transportes, as comunicações, a imprensa, o comércio e  as relações com países vizinhos.

Em 26 de junho Júpiter entra em Câncer e reforça o grande trígono do Solstício. Os aspectos exatos ocorrem em 17 e 18 de julho, em cima do trígono Saturno/Netuno do dia 19.

O aspecto do ciclo Júpiter/Netuno, iniciado em 2009, é crescente e único, mas promove esperanças que ultrapassam restrições. Já o trígono de Júpiter com Saturno é decrescente e faz parte do ciclo iniciado em 2000, mas de qualquer modo este trígono favorece a evolução de estruturas políticas, sociais e econômicas, possibilitando a interação entre potencial e realização. Além do mais, favorece os mercados e historicamente o continente europeu.

O efeito do trígono Júpiter/Saturno será mais forte e duradouro que o de Júpiter com Netuno porque voltará a se formar em 13 de dezembro de 2013, em 18º28’ de Câncer, e ainda reaparecerá em maio de 2014.

Marte entra em Câncer no dia 13 de julho a caminho da conjunção com Júpiter, dia 22, ativando o grande trígono.
Previs2

O mapa da conjunção Marte/Júpiter enfatiza principalmente  o grande trígono e até uma pipa pode ser visualizada se considerarmos o sextil de Plutão com Netuno. No caso desta figura a oposição Marte/Júpiter/Plutão está no centro. A oposição Júpiter/Plutão corresponde à culminação do ciclo iniciado em dezembro de 2007, que pode ter incentivado o crescimento e o descontrole do endividamento e se assim for  uma nova direção terá que ser tomada.

Porém o mapa também apresenta a perigosa quadratura T cardinal que virá a seguir.  Na verdade o perigo desta quadratura T é maior em função da promessa do mapa do Equinócio de Áries. Marte faz oposição com Plutão em 27 de julho e quadratura com Urano em 1º de agosto. Júpiter faz a oposição exata a Plutão em 07 de agosto e a quadratura com Urano no dia 21.

Outra questão importante com relação à força da quadratura T é o fato dela voltar a aparecer  em abril de  2014, quando mais uma vez contará com a ativação de Marte.

Equinócio de Libra (22 de setembro às 11:50h Brasília)

O Sol se apresenta sem aspectos. Marte em Leão repete a quadratura com a Lua presente no Equinócio de Áries e também forma quadratura com Vênus. Embora não seja tão forte como a quadratura T do Ingresso em Áries, não favorece a paz nem o entendimento.

Para o Brasil o Sol na casa 7 reforça  indicações anteriores de desacordos. A localização da quadratura T nas casas 2, 5 e 8 pode indicar questões econômicas.

Eclipses outubro/novembro

Como no primeiro conjunto a quadratura Urano/Plutão, exata em 1º de novembro, marca a dupla de eclipses.

A Lua Nova de 5 de outubro, em 11º 57’ de Libra, dá a partida mobilizando  a quadratura.

O Eclipse Penumbral da Lua (18 de outubro ás 20:51h  Brasília sem considerar o horário de verão),  em 25º 45 de Áries, possui uma segunda marca: a oposição partil Marte/Netuno, indicativa de complôs,  fraudes e desastres marítimos, inclusive em termos de perfurações de petróleo.

A astrocartografia mostra que a linha de Plutão no Meio do Céu passa pelo  centro dos EUA, Canadá e México. A linha de Marte no Meio do Céu/Netuno no Fundo do Céu passa pelo Japão e Austrália, mas a inversão corta o Brasil e passa por Brasília.

Um novo Eclipse Total do Sol (03 de novembro às 10:48h Brasília), em 11º15’ de Escorpião, faz conjunção a Mercúrio e Saturno.

A visibilidade será no Oceano Atlântico e no centro da África, mas o norte da América do Sul, incluindo o Brasil, terá alguma  visibilidade.

Para o Brasil o eclipse se localiza na casa 9 do mapa da Independência em oposição a Saturno na casa 3, portanto volta a ressaltar as dificuldades  principalmente em termos de educação, transportes e comunicação. Também as questões legais ou ligadas ao estrangeiro serão apontadas.

O mapa para Brasília mostra Urano no Fundo do Céu e Plutão no Ascendente, repetindo as posições do eclipse anular do Sol de 9 de maio, indicando situações que virão à tona e mudanças que podem afetar a população.

Marte entra em Libra em 07 de dezembro e em 13 de dezembro ocorre o segundo trígono Júpiter/Saturno.

O ano vai terminar com Marte ativando a quadratura Urano/Plutão, em oposição a Urano dia 25 e  em quadratura com Plutão dia 31.

O ano de 2014 começa com uma Lua nova, dia 1º, em 10º57’ de Capricórnio, portanto em  conjunção com Plutão e em quadratura com Marte.

Um breve resumo

Em termos econômicos o cenário mundial continuará sombrio e difícil de prever, especialmente com relação à União Europeia.

Economistas concordam com as indicações astrológicas ao afirmarem que os dados ainda serão ruins e o melhor que se pode  esperar é um crescimento fraco.

A volatilidade dos mercados vai continuar.

As tensões sociais continuarão a pressionar as mudanças e resistir ás imposições. Uma situação de crise pode ser repentinamente acelerada e até estourar.

A natureza continuará liberando suas forças e provocando desastres que afetam muitos.

A grande vantagem do ano é que aumentarão as esperanças de que soluções serão encontradas e também crescerá o esforço para concretizá-las.

Haverá busca por tranquilidade e ela poderá ser encontrada, na arte, na espiritualidade ou na caridade.

De qualquer modo para lidar melhor com 2013 é preciso continuar preparado para ser surpreendido, atuar rapidamente quando possível e adaptar-se quando necessário.

 

Rio de Janeiro, 03 de janeiro de 2013.

É proibida a reprodução total ou parcial deste texto.