Artigos

O Ano Climatérico de Tony Blair

Gerson Pelafsky em 12 de janeiro de 2007

Uma descrição da crise através da Técnica de Projeção

Dentre as técnicas de astrologia antiga que mereceriam ser resgatadas para integrar o “kit” do praticante contemporâneo, sem dúvida merece lugar de destaque a Projeção, por sua simplicidade e eficácia.

A Projeção (do latim Profectio) consiste em partir de um ponto da carta astrológica e projetá-lo ou fazê-lo avançar no sentido zodiacal à ordem de 30 graus por vez, de acordo com uma medida de tempo estipulada, seja um ano, mês, dia, ou hora.

Esta técnica é descrita em detalhes na obra de Paulus Alexandrinus (séc. IV), e posteriores como os astrólogos medievais Albumasar e Bonatti, chegando até William Lilly (séc.XVII), provavelmente um dos últimos notáveis a mencioná-la, antes que caísse no esquecimento.

Morin (1583-1656), considerado um precursor dos modernos por ter descartado diversos procedimentos antigos, chegou a mencioná-la em sua Astrologia Gallica como uma invencionice ou nonsense dos árabes. Por causa da tentativa de aproximar a astrologia das ciências naturais e já antecipando o espírito racionalista do século seguinte, Morin fez este julgamento levando em conta que a base da Profectio, como de outras técnicas legadas pelos antigos, não repousa nos movimentos celestes propriamente ditos, mas tão somente em procedimentos puramente matemáticos, os quais ele não considerou estarem de acordo com os fenômenos naturais; conseqüentemente os denominou de meras construções da imaginação.

Os principais pontos no mapa a serem projetados são os chamados Hylegíacos (pontos vitais da natividade): Ascendente, Meio do Céu, Sol, Lua, Parte da Fortuna e Lua pré-natal (nova ou cheia anterior ao nascimento).
Segundo Paulus, o Ascendente ao ser projetado incidirá em um signo cujo planeta regente domiciliar será tomado como o regente do ano em questão. Ao Ascendente é dada então prioridade na Projeção, uma vez que mostrará o “Estado de Ser” da pessoa ao longo do ano.

Ao Ascendente, tal como aos outros significadores, atribuímos o primeiro ano de vida (0-1) e vamos somando, retornando ao signo natal, por projeção, aos 12 anos, e sucessivamente aos 24, 36, 48, etc… assim prosseguindo até o fim da vida.

Outro astrólogo antigo, Vetius Valens (séc.II), nos adverte em seus escritos que certos anos pressagiam crises, e que podemos antecipá-los averiguando na natividade quando o Ascendente por projeção atinge o ponto da Lua pré-natal ou dos signos em quadratura ou oposição ao signo da Lua pré-natal.

Se ao mesmo tempo o Ascendente por projeção atingir o signo dos Nodos Lunares ou sua quadratura, o perigo torna-se ampliado. Estes anos de risco foram denominados “Anos Climatéricos”.

Tony Blair, o Primeiro Ministro britânico (1), atravessou recentemente um período de crise, o qual nos fornece a oportunidade de colocar estes métodos em ação. Blair, cujo Ascendente situa-se a 4º 53′ de Gêmeos, completou 53 anos em maio de 2006. Como vimos, nos anos múltiplos de 12 o Ascendente Projetado alcança o signo de nascimento: 53= (4 x 12) + 5. Adicionando 150 graus aos 30º de Gêmeos (ou 5 signos posteriores) chegamos ao Ascendente Projetado para 2006: Escorpião.

anoclimatico_tonyblair

Os astrólogos helenísticos não mencionavam o grau da Projeção, apenas o signo. O uso do grau exato tornou-se corrente a partir dos árabes, na Idade Média.

Paulus menciona a importância de olhar se o planeta regente do signo do Ascendente Projetado encontra-se ou não situado em aversão (aspectos que modernamente corresponderiam ao semi-sextil e quincúncio) a ele (2); ele quando isto ocorre o ano em questão não é “próspero”, ou seja, não é favorável para boas consecuções. É o que ocorre com Blair, uma vez que o regente de Escorpião, Marte, encontra-se em Gêmeos em aversão ao Ascendente Projetado; outra recomendação de Paulus é olhar se há benéficos (Vênus, Júpiter, Sol, Mercúrio) situados no Mapa Natal ou na Revolução Solar no signo do Ascendente Projetado. No mapa da Revolução Solar de Blair para 2006 vemos a presença de Júpiter em Escorpião, aspectando Marte em Câncer. Porém, olhando mais de perto a Carta Natal, podemos notar que Escorpião é o signo da Lua pré-natal (lunação anterior ao nascimento), além disso situa-se em quadratura com os Nodos Lunares, portanto claramente Blair teria um ano de severa crise pela frente, o que de fato ocorreu; foi um ano em que as pressões, suspeitas de corrupção envolvendo membros do governo e perda de popularidade frente à opinião pública o obrigaram a anunciar que deixará o governo no próximo ano. Aparentemente, Júpiter apenas protegeu-o de um colapso mais grave, como por exemplo, algum dano à saúde. Marte no Mapa de Revolução Solar encontra-se em queda na casa 7, a casa dos oponentes, refletindo a acirrada oposição que enfrentou, até mesmo de colegas do próprio partido; Marte é o regente do Meio do Céu deste mapa, apontando para perigos envolvendo a carreira. Além disso, Marte rege a Parte denominada Nemesis (3), associada segundo Paulus a “impotência, exílio, perda”.

Marte é o dispositor de Júpiter, este último regendo na Revolução Solar as casas 11 e 12, o que explica o fato de antigos aliados terem se revelado agora oponentes, trazendo à tona o tema dos inimigos secretos, bem como a questão da corrupção (ações ocultas-casa 12) de colaboradores, minando a confiança da opinião pública no governo; a Lua, representando a opinião pública, tem seu detrimento em Escorpião, signo onde está Júpiter.

O anúncio público de sua decisão de deixar o governo, se deu no dia 07 de setembro de 2006. Se fizermos a projeção mês a mês, usando o grau do Ascendente natal como ponto de partida, no primeiro mês do ano que é o do aniversário de Blair temos a projeção situada a 4º 50′ de Escorpião; 4 meses depois ou 120 graus acrescidos à Escorpião, chegamos à 4º 50′ de Peixes no dia 06 de Setembro de 2006. A data, portanto tem como correspondência astrológica uma quadratura do Ascendente projetado do mês com Marte, o planeta decisivo nos acontecimentos do ano. Peixes, corresponde à casa 10 usando-se como referência o antigo sistema de casas de signos inteiros, onde o décimo signo contado a partir do Ascendente corresponde à décima casa, o que confere especial importância a este mês para os assuntos de carreira.

A título de complemento, não podemos nos abster de abordar alguns mapas da astrologia mundial que tem estreita conexão com a Carta Progredida do Primeiro Ministro britânico.

Primeiramente, o Eclipse Solar ocorrido a 29 de Março de 2006, se presta a interessantes reflexões: foi visível na Inglaterra e ocorreu sob o signo de Áries, tradicionalmente mencionado como tendo regência sobre a Bretanha em autores como Ptolomeu e Lilly

anoclimatico_tonyblair2

anoclimatico_tonyblair3

Usando a carta do Reino Unido de 1801(4), podemos ver que o eclipse faz oposição próxima ao Ascendente deste mapa, claramente apontando para repercussões sobre a Inglaterra; Os luminares, situados na casa 10, também mostram repercussões significativas sobre a “cabeça do estado”. Marte, o regente do signo do eclipse, encontra-se em quadratura com um Mercúrio debilitado em Peixes situado na casa 10. Tal aspecto é referido por autores antigos como associado a “rumores e acusações,” o que imediatamente nos traz à lembrança a acusação de corrupção envolvendo o partido do governo. Usando o horário do meio do eclipse, 10:34 UT (procedimento de astrólogos árabes como Masha’allah), os luminares situam-se mais claramente na casa 10, longe da cúspide da 11. Como Marte é considerado o regente da própria Bretanha, segundo os antigos, isso amenizaria seus efeitos maléficos, tornando menos prováveis acontecimentos drásticos de natureza marciana, como guerras e revoluções (porém a 28 de março houve uma greve histórica dos funcionários municipais na Inglaterra, em protesto contra o governo, a maior em 80 anos).

A conexão direta, do eclipse, com Blair pode ser vista fazendo-se a Progressão Secundária de seu Mapa Natal: Marte progredido para março de 2006 encontra-se aproximadamente a um grau da quadratura com o grau do eclipse. Ao mesmo tempo, a Lua progredida, em maio do mesmo ano, encontrava-se em oposição de aproximadamente um grau com a Lua do Mapa do Reino Unido de 1801: trata-se aqui de uma indicação do divórcio entre o povo, a opinião pública e Blair.

Curiosamente, outro Primeiro Ministro com a Lua destacada em seu nascimento, Margareth Tatcher(5), renunciou ao poder quando, em novembro de 1990, a Lua Natal Progredida encontrava-se a um grau do aspecto de oposição com a Lua do Mapa de 1801.

Em maio de 2006, houve eleições gerais na Inglaterra e o Partido Trabalhista de Blair sofreu a pior derrota eleitoral desde o início dos anos 90, derrota em grande parte creditada à perda de prestígio perante a opinião pública.

No Tetrabiblos, de Ptolomeu, encontram-se algumas regras para estipular a cronologia do eclipse ou o tempo em que o eclipse deverá mostrar seus efeitos: quando próximo ao Meio do Céu da carta o eclipse deverá manifestar seus efeitos entre 4 a 8 meses após sua ocorrência. O período de tempo em que ocorrerá a intensificação dos efeitos, dependerá do tempo de duração do eclipse solar, tantas horas equivalerão a anos. No caso do eclipse de março, cuja duração foi de cerca de hora e meia, temos uma duração estipulada de efeito de até um ano e meio, sendo que o posicionamento próximo ao Meio do Céu aponta o período de intensificação dos efeitos do eclipse ocorrendo na segunda terça parte deste tempo, ou seja, entre 6 meses e um ano. Evidentemente, nem todos os eclipses irão seguir tal “manual de comportamento”, embora neste caso específico possamos notar que a intensificação da crise envolvendo Blair seguiu em linhas gerais esta fórmula. Recentemente, enquanto encerrava este escrito (dezembro de 2006), o Primeiro Ministro estava sendo interrogado pela polícia inglesa para ajudar a elucidar acusações de corrupção envolvendo o partido trabalhista, 9 meses decorridos após o eclipse.

Notas:

1) Dados de Tony Blair: 06/05/1953 6:10 – Edimburgh -Escócia – GMD -1:00:00 3w13/55n57 Fonte: Astrodatabank – classificação:AA
2) Podemos compreender a aversão tendo em mente que as casas 6, 8 e 12 eram tradicionalmente consideradas desfavoráveis para o bem estar da pessoa, por não existir aspecto Ptolomaico entre elas e o signo Ascendente.
3) Fórmula do Lote Nemesis : Asc + Parte da Fortuna – Saturno; para nascimentos à noite inverte-se a posição de Fortuna e Saturno.
4) Dados do mapa do Reino Unido: 01/01/1801 0:00 Westminster- Inglaterra – 0W09/51N30
Fonte: Fixed Stars and Judicial Astrology -George Noonan -AFA 1997
5) Dados de Margareth Tatcher: 13/10/1925, 9:00 AM. Granthan-Inglaterra 00w39/52n55
Fonte: astróloga americana Marion March, por sua vez citando Charles Harvey.

Fontes Bibliográficas:
Tetrabiblos – Ptolomeu -Tradução de Ashmand – Livro II,cap. 6 -versão online:
http://www.angelfire.com/wizard/regulus_antares/tetrabiblos_01.pdf
Late Classical Astrology : Paulus Alexandrinus and Olimpiodorus-Tradução de Dorian Greenbaum,M.A. Arhat Ed. 2001 – Cap. 31,pág 64 – “Concerning Year, Month and day”
Vettius Valens – The Anthology – Tradução de Robert Schmidt-Ed.Golden Hind Press1996 ” Concerning the Climateric Year…”- Livro 5,cap. 2.

branco

Rio de Janeiro, 12 de Janeiro de 2007.

Proibida a reprodução parcial ou total deste artigo.