Artigos

Eletiva com Método – Aplicação Prática em Eleições para Negócios

Celisa Beranger em 20 de outubro de 2012

(Palestra apresentada no 14º Simpósio Nacional do SINARJ – 20/10/2012)

Clique aqui para ver a apresentação em PowerPoint no formato PDF e aguarde.

Começamos lembrando que a Eletiva tem sua origem nos primórdios da Astrologia. Dorotheus de Sidon, século I d.C., dedica parte do Livro V de seu Pentateuco ao início das coisas. Na compilação dos fragmentos, que chegou até nós com o título Carmen Astrologicum, o livro V está completo e a parte referente aos começos aparece a partir do capítulo 30. Vejamos um pequeno trecho:

“Verifica, no que diz repeito a cada questão que iniciares, qual é, entre os astros, o regente desta ação. Por vezes, a pessoa começa um assunto quando os benéficos aspectam a Lua e o Ascendente, mas o regente desta ação está sob os raios do Sol, ou afligido, ou não aspecta o Ascendente e está num mau lugar; então esta ação será má e não terá nada de bom nela”.
Se for uma boda ou um casamento, ou alguma coisa agradável que pertença aos atos de Vênus , então olha a este respeito para o poder de Vênus.
Sempre que Júpiter aspecta um astro orienta-o para o bem. Em todos os momentos e em todas as situações, Júpiter é bom porque aumenta a qualidade e a bondade, ou diminui a maldade e os infortúnios, e os destrói”.

No capítulo final Dorotheus aborda a importância das fases da Lua para os começos.

“As suas fases são quando ela emerge de sob os raios do Sol até chegar à quadratura à esquerda do Sol, e aquele cuja intenção é comprar ou vender sinceramente e fielmente se beneficia disto, visto que aquele que comprar neste momento, compra o bem por um preço que é justo, não é barato nem caro. Quando a Lua se dirige da quadratura à esquerda do Sol até atingir a oposição ao Sol, então a venda se beneficia disto, assim como o início de um litígio. Quando se afasta da oposição ao Sol, até atingir a quadratura à direita do Sol, então a compra é beneficiada por isto, assim como aquilo que se procura corretamente. Quando a Lua se dirige da quadratura à direita do Sol até chegar à posição do Sol, então as pessoas cuja intenção é correta e justa se beneficiam disto”.

É preciso ressaltar que na verdade existem duas linhas na Astrologia Eletiva: a que segue a linha clássica dos primórdios, com a necessária atualização, e a que segue as regras da Astrologia Horária. Nosso trabalho segue a linha clássica.

Focamos a aplicação prática nas eleições para negócios porque em nossa prática constitui a eletiva mais solicitada. Esta solicitação refere-se à escolha do momento para constituição do negócio (contrato social), para abertura do negócio ao público ou ainda para abertura de filiais.

Embora a procura seja bem menor, há outro tipo de eleição solicitado pelo mundo dos negócios: a do local para o estabelecimento do negócio ou para a abertura de uma filial.

ELEIÇÃO DE DATA

Antes de qualquer outra condição é preciso considerar que, na eleição de um bom momento para começar alguma coisa, o ponto de partida é o mapa natal, e o mapa eleito precisa ter uma boa relação com ele. Portanto, é necessário referenciar a eleição ao mapa natal e às condições de desenvolvimento nas quais ele se encontra na ocasião da eleição. Para verificar estas condições será preciso utilizar as técnicas astrológicas de Trânsitos, Progressões, Lunações e Eclipses.

Como em qualquer tipo de eleição, é importante procurar uma boa Sinastria entre o mapa eleito e o mapa da pessoa que constitui ou abre um negócio.

Vamos comprovar esta relevância apresentando a eleição para a data da coroação da rainha Elizabeth 1ª da Inglaterra (Elizabeth 07/09/1533 às 15h em Greenwich. Coroação 15/01/1559 às 12 horas – Westminster), feita por seu astrólogo, depois consultor, John Dee.  Uma curiosidade bem atual é que Dee assinava seus despachos como “007” para dar a ideia de que representava os olhos da rainha. Esta assinatura inspirou o escritor Yan Fleming na criação do seu famoso agente secreto, cujos 50 anos do primeiro filme, “007 Contra o Fantástico Dr. No”, foram celebrados no início deste mês.

Sabemos que o reinado de Elizabeth 1ª foi longo, 44 anos, e bem sucedido, vencendo as rebeliões e até a guerra contra Felipe de Espanha, ao  derrotar sua Invencível Armada. Elizabeth também incentivou e promoveu as artes.

O mapa da coroação apresenta o Sol no Meio do Céu em trígono ao Ascendente, mas há também a oposição Marte/Saturno, que procuraríamos evitar. Porém, podemos constatar que a sinastria do mapa da coroação com o mapa natal da rainha é excelente.

Sol e Ascendente em trígono à Vênus natal
Vênus em trígono ao Sol natal
Lua em trígono a Júpiter natal
Júpiter em sextil a Júpiter natal

ELETIV1ETAPAS DA ELEIÇÃO:

1- Escolha do dia para trabalhar na eleição.
2- Definição dos regentes da eleição.
3- Localização do período favorável para uma ou mais pessoas envolvidas na eleição.
4- Eleição propriamente dita.

1- Escolha do dia para trabalhar na eleição
A escolha do dia é conveniente para que a capacidade de julgamento esteja em sua melhor condição e o trabalho possa desenvolver-se rapidamente.
São favoráveis os dias que apresentarem uma das seguintes condições:

Mercúrio por trânsito em aspecto harmônico com Sol, Júpiter ou Saturno do Mapa Natal.
Sol ou Vênus por trânsito em aspecto harmônico ao Mercúrio natal ou a planetas localizados nas casas 3 ou 9.
Mercúrio por trânsito em aspecto harmônico com planetas localizados nas casas 3 ou 9.

2- Definição dos regentes da eleição
Cada eleição terá planetas e casas específicos com relação ao assunto que envolve a escolha. Como apontou Dorotheus, no caso de um casamento o regente é Vênus e acrescentamos a casa 7.
Em alguns casos a definição é simples, mas em outros complexa, por este motivo é conveniente dispor, para consulta, de um livro geral de regências de assuntos, objetos e condições, como é o caso do The Rulership Book, do americano Rex Bills.

Para negócios é conveniente o conhecimento dos significados dos astros em termos empresariais; apresentamos um resumo destes significados:
Sol – A empresa ou o negócio propriamente dito, sua força e potencial para ser bem sucedido. Seu principal dirigente, aquele que tem em suas mãos os rumos do negócio.
Lua – O tipo de público e sua opinião e resposta aos produtos ofertados pelo negócio. Os empregados, no sentido da família da empresa. Flutuações e mudanças.
Mercúrio – As habilidades comerciais. Meios de informação, comunicação e transporte. Intermediários e representantes. Empregados de escritório.
Vênus – Capacidade de agradar ao público. Habilidade para lidar com recursos e disponibilidade em dinheiro.
Marte – Habilidade para agir. Arrojo, competitividade e produtividade. Máquinas e equipamentos.
Júpiter – Potencial para crescer e obter sucesso. Habilidade para fazer dinheiro e gerar lucros.
Saturno – Capacidade administrativa e gerencial, estrutura interna. Habilidade para se tornar sólida, segura e estável.
Urano – Capacidade de ser original, inovar e explorar novas idéias. Utilização de tecnologia. Condições repentinas.
Netuno – Imagem e potencial para sedução. Ideais, ilusões e enganos.
Plutão – Poder. Potencial para transformar-se e regenerar-se. Potencial para pesquisas.
Nodos – Alianças e associações.

Em função dos significados apresentados, o Sol como representante do negócio propriamente dito, a Lua como resposta do público aos produtos do negócio e Mercúrio como significador geral de negócios, sempre deverão ser incluídos dentre os regentes da eleição.

Observação: No que se refere aos negócios, geralmente na primeira vez o cliente vem para a consulta com uma faixa de tempo pré-determinada para a assinatura do contrato ou para a abertura do negócio. Algumas vezes nos deparamos com condições inaceitáveis no período escolhido. Neste caso, devemos explicar ao cliente os problemas encontrados e procurar convencê-lo a mudar sua pretensão. Caso ele não aceite, em determinadas circunstâncias, como é o caso de períodos nos quais Mercúrio ou Marte estejam retrógrados, pode ser conveniente não fazer a eleição.

3- Localização do período favorável à eleição

Na seleção do período para a eleição, buscamos aspectos harmônicos nas progressões, direções ou trânsitos, especialmente aos luminares, Ascendente, Meio do Céu e também aos regentes específicos do negócio, de modo que ele possa ser favorecido. Sabemos que os bons aspectos de Júpiter indicam benefícios e oportunidades para desenvolvimento.

Porém, devem ser evitados os aspectos desarmônicos produzidos por direções ou trânsitos aos regentes específicos da eleição e aos regentes que sempre devem participar: Sol, Lua e Mercúrio. Também devem ser evitadas as direções ou trânsitos desarmônicos de Urano, Netuno ou Plutão ao Ascendente e Meio do Céu porque sabemos que há menos controle com relação aos acontecimentos.
De qualquer modo, é preciso considerar que caso não seja possível evitar um aspecto indesejável, é conveniente manter um espaço de tempo de pelo menos 15 dias antes e depois da data do aspecto exato.

Também as lunações e especialmente os eclipses, lunações mais fortes e de duração mais longa, devem ser observados para evitar aspectos desarmônicos aos regentes da eleição. No que se refere aos eclipses, é preciso focar a atenção nos períodos de maior força de atuação: três semanas antes ou depois da data do eclipse e na terceira lunação após, que faz quadratura com o grau do eclipse.

Devemos considerar também que, no período selecionado para a eleição, os planetas regentes do negócio não devem estar retrógrados. Por este motivo, os períodos de retrogradação de Mercúrio devem ser imediatamente descartados. Eliminamos também os períodos de retrogradação de Marte que, nesta condição, retrai a atividade, competitividade e produtividade.

Ao final do estudo das técnicas, podemos chegar a um período de 15 a 30 dias para trabalhar a eleição.

4- A Eleição propriamente dita
Após alguns anos de trabalho com eleições, constatamos que elas ocorrem principalmente em função da eliminação de condições não aceitáveis e não da escolha de condições favoráveis. Por este motivo, desenvolvemos um método para primeiro excluir o que não é aceitável e promover a escolha dentro do que restou, que normalmente é pouco.

No que se refere à constituição de uma empresa, é preciso destacar que, embora existam opiniões divergentes, consideramos que ela ocorre na hora da última assinatura no contrato social. Sem dúvida, a data da abertura do negócio ao publico também é importante e é preciso considerar que os dois mapas funcionam. Por este motivo, as duas datas precisam ser bem escolhidas.

É preciso considerar que, quando o negócio envolve mais de uma pessoa, o que ocorre na maioria das vezes, além dos mapas natais dos sócios, o Mapa Composto também deve ser utilizado.
O Mapa Composto é necessário porque quando duas ou mais pessoas se associam, se produz um novo contexto e este pode ser diferente do funcionamento individual de cada um. Só o Mapa Composto apresenta as condições de atuação conjunta.
O Mapa Composto também apresenta a vantagem de possibilitar o acompanhamento do desenvolvimento da associação através do tempo, por meio da utilização das mesmas técnicas consideradas para o desenvolvimento do Mapa Natal individual.
Existem diversos tipos de Mapas Compostos. Utilizamos o que é conhecido como Composto, apresentado por John Townley e desenvolvido por Robert Hand em seu excelente livro Planets in Composite, porque nele encontramos os melhores resultados. Este tipo de composto utiliza os Pontos Médios privilegiando a menor distância, tanto entre os planetas como com relação às posições do Meio do Céu. As demais casas serão encontradas em função da latitude do local onde a associação ocorre.

Etapas da Eleição:
a- Fase da Lua
b- Movimentação dos regentes da eleição no período delimitado
c- Verificação dos trânsitos rápidos em relação ao mapa natal
d- Estudo das Casas
e- Avaliação final do mapa eleito

a – Fase da Lua – a escolha da fase apropriada do ciclo de lunação possibilita a primeira redução do período selecionado. O ciclo se divide em dois semiciclos, crescente e decrescente, e cada um é subdividido em quatro fases.
O semiciclo crescente é importante para negócios porque precisam de extroversão e crescimento. A primeira fase, nova, não deve ser utilizada, mas a partir dos 45º de afastamento da Lua com relação ao Sol, fase crescente, quando começa a visibilidade, a Lua está favorável (como indicou Dorotheus). As duas fases seguintes são ainda mais favoráveis: 1º quarto e quase cheia, ambas englobadas no popularmente conhecido quarto crescente.

b – Movimentação dos regentes da eleição no período delimitado
Para observar estes movimentos é necessário utilizar efemérides que contenham um quadro de aspectos diários. Porém, nesta primeira etapa, a Lua, muito rápida, não será incluída na observação porque pode fazer diversos aspectos durante um dia.
Será preciso eliminar os dias dos aspectos desarmônicos dos regentes da eleição com Marte, Saturno, Urano, Netuno ou Plutão, especialmente com orbe inferior a 2º (em função do fechamento das direções nos dois ou três primeiros anos).
Devemos eliminar também os dias nos quais os regentes do negócio estiverem nos graus 29 ou 0, graus de transição.

Movimentação da Lua no período delimitado
Agora passamos a observar as condições da Lua.
Em primeiro lugar, eliminamos a Lua fora de curso. Para esta verificação acrescentamos uma margem de três horas, antes de a Lua sair de curso, e três após sua entrada em curso, de modo a excluir a transição de signo. Muitas vezes na eliminação da Lua fora de curso é preciso descartar dias inteiros.
A exclusão da Lua fora de curso é importante porque lhe falta direção e isto pode dificultar que o negócio se estabeleça aos olhos do público.
De qualquer modo, mesmo que não esteja fora de curso, como no caso dos demais regentes a Lua também não deve estar nos graus 29 ou 0.

Em sequência faremos uma relação diária da posição da Lua por signo e aspectos visando à eliminação dos aspectos desarmônicos, especialmente com os regentes da eleição, em orbe de até 2º. Também devem ser evitados os aspectos tensos com Marte, Saturno, Urano, Netuno ou Plutão, e ainda a conjunção ao Nodo Sul ou a quadratura aos Nodos.

c – Trânsitos rápidos em relação ao mapa natal
Sol, Mercúrio, Vênus e Marte, nesta etapa a Lua não participa – eliminamos os dias de tensões aos regentes da eleição no Mapa Natal, sempre incluindo Mercúrio, Sol e a Lua, mas considerando também o Ascendente e o Meio do Céu.
Após a eliminação buscamos os dias dos trânsitos harmônicos do Sol, Mercúrio, Vênus ou Marte a estes mesmos pontos natais.

Observação: Tabelas preparadas no Dynamic do programa Solar Fire ou em outro programa facilitam esta analise.

Nesta altura, chegamos à seleção de dois ou três dias.

Trânsitos da Lua em relação ao Mapa Natal – Nos dias que restaram analisamos os aspectos da Lua de modo a excluir os desarmônicos aos regentes da eleição e também a Marte, Saturno, Urano, Netuno, Plutão ou Meio do Céu, especialmente em orbe partil.

Mais uma vez, a utilização de tabelas preparadas no Dynamic do Solar Fire, ou outro programa, facilita a análise dos trânsitos da Lua com o Mapa Natal.

Observação: No caso de negócios grandes ou que lidam com um grande público, são necessárias outras duas considerações: a verificação das posições dos regentes da eleição com relação aos graus de estacionamentos de planetas e eclipses imediatamente anteriores. Os regentes não devem formar aspectos desarmônicos com estes pontos, dentro de um orbe de 2º graus.

Chegou então a ocasião de elaborar mapas para os dias selecionados de modo a avaliar as condições gerais, observando também as possibilidades com relação às casas. Sugerimos começar utilizando o horário do meio dia. No caso de eleições nas quais é necessário respeitar um determinado período do dia, manhã, tarde ou noite, a hora a ser utilizada deve ser a do início do período.

d – Estudo das Casas
Mapa diurno e Casa do Sol
Ascendente e Meio do Céu
Casa incluída entre os regentes do negócio
Casas 2 e 8

Antes de desenvolver a eleição das casas vejamos um resumo dos assuntos das casas em mapas de empresas:
Casa 1 – A composição e apresentação, a maneira como a empresa se coloca.
Casa 2 – Atividade e disponibilidade em dinheiro, receita e despesa.
Casa 3 – Área comercial e de intercâmbio. Representantes. Comunicação interna. Transportes.
Casa 4 – Base de operações, sede, estoque. O patrimônio imobilizado.
Casa 5 – A qualidade do produto e seu controle. Filiais. Aplicações financeiras.
Casa 6 – Os empregados e seu desempenho. Condições de trabalho. Máquinas e equipamentos.
Casa 7- Alianças e parcerias comerciais. Relações diretas com a clientela. Concorrentes.
Casa 8 – Tesouraria. Responsabilidades financeiras, empréstimos, impostos e taxas.
Casa 9 – Estatutos e regulamentos. Questões jurídicas e legais. Relações com o estrangeiro ou com instituições educacionais ou científicas.
Casa 10 – Reputação e imagem pública. A autoridade principal.
Casa 11 – Planejamento futuro. Organizações afins.
Casa 12 – Experimentações. Problemas internos. Negociações atrás dos panos. Sabotagem.

Mapa diurno – No caso de eleições para negócios, a primeira atenção volta-se para a preferência por um mapa com o Sol acima do horizonte (representado pelo Ascendente-Descendente), visando favorecer seu brilho.
Observação: A experiência mostrou que até mesmo no caso de casas noturnas, é preferível inaugurá-las durante o dia, convidando amigos e familiares, e mantê-las abertas até o começo do funcionamento para o público.

A casa do Sol – Preferencialmente, o Sol deve ser colocado nas casas 9 (seu júbilo), 10 ou 11 (esta corresponde ao júbilo de Júpiter, e é a casa 2 como derivada da casa 10, o que favorece um bom resultado). Em último caso, a casa 8 – dos recursos financeiros – pode ser utilizada, desde que Sol só tenha aspectos harmônicos.

Eixos principais – Sabemos que planetas em conjunção com (orbe até 6º) Ascendente/Descendente, Meio do Céu/Fundo do Céu, ou em aspecto a estes pontos, são os que possuem a maior força de expressão.
A colocação de Júpiter no Ascendente ou no Meio do Céu é sempre favorável, desde que ele não esteja retrógrado ou com aspectos desarmônicos. Em boas condições, Júpiter promete crescimento, sucesso e habilidade para fazer dinheiro e gerar lucros, e ainda protege o negócio com relação a problemas. Não é recomendável colocar Júpiter no Descendente porque, além de alianças e parcerias, a casa 7 corresponde à concorrência e não é desejável fortalecê-la.
Também a conjunção de Vênus pode ser utilizada, quando estiver em boas condições, porque favorece a aprovação do público aos produtos da empresa e promove habilidade para lidar com recursos.
O Sol é favorável em conjunção ao Meio do Céu, desde que esteja em boas condições.
A Lua não deve estar em conjunção aos eixos porque promove flutuações, além do mais, o negócio receberá muitas influências do meio.
Marte, Saturno e Urano não devem ser colocados junto aos eixos, e Plutão, mesmo em boas condições, só deve ser colocado no Meio do Céu.

Ascendente e Meio do Céu – Devem ser evitados aspectos desarmônicos a estes pontos. Também devem ser evitados os graus 29 e 0 por serem pontos de transição. Porém, estes graus podem ser utilizados caso aí se encontre Júpiter da eleição ou natal em boas condições.

Os regentes dos signos do Ascendente e do Meio do Céu devem estar em movimento direto e formando aspectos harmônicos, preferencialmente com os regentes da eleição, no mapa que está sendo eleito ou no Mapa Natal.

Em termos de ritmos, a princípio os signos cardinais são os melhores para novos empreendimentos, porque promovem estímulo e energia para encarar desafios e avanço rápido. Porém, por serem mais estáveis, os signos fixos podem ser mais aconselháveis para negócios.
A principio, os signos mutáveis não são bons, mas a utilização de um mutável em aspecto harmônico com seu regente propicia um bom resultado.

Uma alternativa para favorecer o Ascendente ou o Meio do Céu da eleição é colocá-los em conjunção a uma boa estrela fixa ou em um bom ponto médio.

A sinastria do Ascendente e do Meio do Céu com o mapa natal deve ser verificada para evitar aspectos difíceis, em orbe partil, especialmente com os regentes da eleição.

Casa incluída entre os regentes do negócio – Quando uma casa participa da regência, os planetas aí localizados e os regentes dos signos precisam estar em boas condições e não devem estar retrógrados.

Casas 2 e 8 – Como todo negócio visa obter sucesso financeiro, atenção é necessária aos planetas nestas casas, e também aos seus regentes, de modo que a promessa seja boa. A colocação de Vênus ou Júpiter é favorável, desde que estejam em boas condições.

Observação: Podemos considerar que existem duas alternativas para minorar as dificuldades de um planeta no mapa da eleição: ligá-lo por aspecto harmônico ao Ascendente ou à Parte da Fortuna que, como ensinou Vettius Valens, corresponde a um segundo Ascendente. Porém, por este mesmo motivo, devem ser evitados aspectos desarmônicos à Fortuna em orbe de até 3º.

Observação: É preciso levar em conta que dificilmente conseguimos eleger um mapa que atenda a todas as condições desejadas. Por este motivo, é preciso considerar que pode ser necessário optar com relação às dificuldades que podem ou não ser aceitas.

e – Avaliação final do mapa eleito
Planetas Ascendendo são, normalmente, os que melhor descrevem o mapa.
Atenção a qualquer aspecto partil, que possui 100% de força independente da proximidade dos eixos.
Verificação de pontos médios e estrelas fixas para evitar a colocação do Ascendente, Meio do Céu, Sol, Lua e o regente específico da eleição sobre estrelas ou em pontos médios muito difíceis.
Verificação da sinastria do mapa eleito com o mapa natal.
Quando o negócio pertence a uma única pessoa, devemos observar o Mapa Composto do negócio com o proprietário para constatar facilidades e dificuldades ao lidar com ele.

EXEMPLO DE CONSTITUIÇÃO DE NEGÓCIO

Duas senhoras que trabalhavam fornecendo bufê para festas precisavam formalizar a associação constituindo uma empresa.
Os regentes deste tipo de negócio são: Vênus, Lua e a casa 5. Porém, Sol e Mercúrio precisam ser incluídos.
Na ocasião da marcação da consulta elas informaram que precisavam assinar o contrato no mês de outubro, o ano era 2009. Ressaltamos que o céu apresentava um aspecto restritivo que não era bom para negócios. Estávamos no tempo da quadratura Saturno/Plutão, que desfavorece a administração e o desenvolvimento dos negócios. Elas informaram que, assim mesmo, queriam fazer a constituição. Isto indicava a necessidade da escolha de uma data distante, o máximo possível, do aspecto exato em 15 de novembro.

ELETIV2ELETIV3

Análise das cartas natais com direções e trânsitos

Antes de qualquer coisa, preparamos o Mapa Composto e encontramos  Vênus em conjunção ao Meio do Céu,  uma boa indicação.

Direções – Na avaliação de outubro de 2009, observamos que ambas tinham direções do Meio do Céu em conjunção à Vênus natal. Isto era um fator bastante positivo, uma vez que Vênus, além de significadora, é indicativa de associação e o composto apresenta o planeta no Meio do Céu.

Trânsitos lentos – Para a primeira senhora, Urano transitava a casa 6 aproximando-se do Descendente, mas estava em trígono ao Júpiter natal na casa 11. Esta condição era favorável porque indicava oportunidade para atualização. Porém, Saturno transitava a casa 1  em oposição ao Saturno natal de casa 7, que poderia indicar dificuldades para a associação.

A segunda senhora apresentava Júpiter em trânsito entrando na casa 2.  Urano transitava a casa 3 e estava deixando o sextil ao  Ascendente. Saturno transitava a casa 9 em sextil à Lua natal na  casa 7, favorecendo a estabilidade da associação.

Na observação do Mapa Composto, constatamos que Saturno transitava a casa 11 em sextil ao Mercúrio na casa 9, porém  Júpiter transitava a casa 3  em oposição à Vênus no Meio do Céu. Isto não era bom porque as expectativas eram maiores do que as possibilidades.

Eclipses – O eclipse do Sol de 22 de julho de 2009, em 29º27’ de Câncer, havia ativado os mapas individuais e o composto.

Para a primeira, fez conjunção com Marte em 25º de Câncer na casa 11; para a segunda, conjunção com a Lua em 0º de Leão na casa 7; no mapa  Composto fez conjunção com Mercúrio em 28º de Câncer e Júpiter em 0º de Leão, ambos na  casa 9. Portanto, as ativações do eclipse indicavam atitudes, necessidade de mudança em parceria e legalização da associação.

Veja os mapas no power point.

A Eleição

Na observação geral das efemérides para o mês de outubro constatamos a presença de Mercúrio e de Vênus em Libra – sem dúvida, contar com um dos regentes em domicílio era muito bom. Até o dia 22, também o Sol estava em Libra, Marte estava em Leão e Júpiter em Aquário passava ao movimento direto no dia 13. Saturno em Virgem entrava em Libra no dia 29. Mercúrio entrava em Escorpião do dia 28 e no dia 29 o Sol faria a quadratura exata com Marte.

Fase da Lua – No dia 04 de outubro ocorria uma Lua Cheia.

No dia 18 haveria uma Lua Nova, em 24º59’ de Libra. Esta lunação, 03 meses após, mobilizaria o eclipse por quadratura.  Porém, apenas o Marte da primeira seria ativado, o que era bom.

No dia 21 a Lua entrava na fase crescente.

A Lua Cheia seria no dia 02 de novembro.

Delimitamos então o período de 21 a 26 de outubro para evitar a mudança de signo de Mercúrio e a quadratura do Sol com Marte.

De qualquer modo, sabíamos de nossa preferência pelo Sol em Libra, disposto por Vênus domiciliado.

Movimentação dos regentes no período delimitado – A observação do quadro de aspectos das efemérides no período delimitado possibilita a eliminação de alguns dias: dias 22 e 23, mudança de signo do Sol. ELIMINADO

O período não mostra tensões a Vênus ou a Mercúrio.

Aspectos harmônicos: dia 24 – Sol sextil Plutão e Mercúrio trígono Netuno.

Movimentação da Lua no período delimitado: 

Dia 21 – Sagitário, sextil Vênus
Dia 24 – Capricórnio
Dia 25 – Capricórnio em quadratura com Mercúrio (6:38 horas), fora de curso a partir das 13:16. ELIMINADO.
Dia 26 – Aquário

Portanto, foram eliminados os dias 22, 23 e 25.

Para a análise dos trânsitos rápidos restaram os dias 21, 24 e 26.

Trânsitos rápidos nos mapas natais (sem a Lua):

Dia 21 – primeira: Vênus sextil Mercúrio.
segunda: Vênus sextil  Júpiter.
composto: Mercúrio sextil  Vênus.

Dia 24 – primeira: Mercúrio quadratura Júpiter.
segunda: Vênus oposição Saturno.
composto: Sol quadratura Júpiter.

Dia 26 – primeira: Mercúrio sextil com Sol e trígono ao Meio do Céu.
segunda: Vênus em conjunção ao Meio do Céu.
composto: Mercúrio quadratura Mercúrio e Marte trígono Ascendente.

Trânsito da Lua em relação aos mapas natais:

Dia 21 – primeira: trígono com Mercúrio.
segunda: trígono com Júpiter.
composto: a partir das 14 horas, quadratura com Lua e Marte.

Dia 24 – segunda: oposição ao Sol e Mercúrio.

Dia 26 – primeira: oposição a Mercúrio.
segunda: oposição a Júpiter.
composto: oposição ao Sol.

Eliminamos o dia 26.

Apesar da limitação de horário, para evitar o aspecto desarmônico da Lua com o Mapa Composto, as condições do dia 21 são as melhores. O Sol ainda em Libra, Mercúrio em trígono ainda próximo a Júpiter e a Lua em Sagitário em sextil a Vênus. Mas ainda devemos observar o dia 24.

Nesta altura, preparamos os mapas para as 12 horas e constatamos a proximidade de Vênus do Meio do Céu.  Porém, confirmamos as melhores condições do dia 21 e passamos a desenvolver as possibilidades para este dia.

Casas:

Localizamos então a hora da conjunção exata  de  Vênus com o Meio do Céu. Isto ocorre às 11:22 horas.

Observamos que neste horário Sol e Mercúrio estão na casa 10 e a Lua na casa 11, no sextil com Vênus. Júpiter está na casa 2. A casa 5, também regente do negócio, está em Touro, regida por Vênus. O Ascendente Capricórnio é cardinal, mas seu regente Saturno está no grau 29 em quadratura com Plutão, e isto não é bom.

Buscamos então outras possibilidades com a localização do Sol nas casas 9 ou 11 de modo a delimitar o espaço de tempo em que podemos trabalhar as casas.

Um programa que disponha da possibilidade de retificação de horário facilita muito o trabalho.

Movimentando o mapa, constatamos que a partir das 08:45 o Sol está na casa 11. Na casa 9 podemos considerar apenas até às 13:45h, para evitar a tensão da Lua com o Mapa Composto.

Verificamos que no horário de 13:45h, além da presença de Júpiter no Ascendente, Urano está na casa 2  em oposição a  Saturno na casa 8, e isto não é aceitável.

Localizamos então a hora em que Urano passa para a casa 3 e encontramos 12:25h. Delimitamos então nossa faixa de trabalho entre 08:45 e 12:25h.

Veja os mapas no power point.

Nesta altura, devemos elaborar diversos mapas para observar o movimento das casas e a localização dos planetas.

Constatamos que os Ascendentes possíveis são Sagitário, Capricórnio e Aquário, porém desconsideramos Sagitário não apenas por ser mutável, mas também porque, estando a Lua neste signo, não a queremos posicionada nem na casa 1  nem na casa 12.

Apesar das condições de Saturno, precisamos testar Capricórnio no Ascendente. O período começa às 10:15h, porém com Plutão em conjunção e a Lua ainda na casa 12. Para retirar Plutão do Ascendente e a Lua da casa 12 chegamos às 11:10h.  Reduzimos então nossa faixa de trabalho para 11:10 a 12:25h.

Passamos então a avaliar Aquário e constatamos que Marte está no Descendente, e isto não é aceitável. Para retirá-lo do ângulo, e também os Nodos do eixo Ascendente/Descendente, reduzimos o limite para 11:30h.

Restou então apenas a faixa de 20 minutos entre 11:10 e 11:30h.

Dentro desta faixa optamos pela colocação de Vênus em conjunção ao Meio do Céu, porém fizemos um pequeno ajuste para 11:19h de modo a  posicionar o Ascendente em conjunção exata à estrela Vega, que promete criatividade e êxito através de um talento especial. Este posicionamento também favoreceu o Sol, uma vez que a Parte da Fortuna faz trígono a ele.

ELETIV4

Citamos antes a dificuldade em eleger um mapa que atenda a todas as condições e, por isso, a escolha com relação às dificuldades que podemos ou não admitir. Apesar das condições adversas de Saturno, decidimos aceitar o Ascendente Capricórnio porque corresponde ao mapa que no contexto geral apresenta as melhores condições e  conseguimos favorecer o Ascendente colocando-o sobre a estrela Vega.

Na avaliação final, constatamos que Mercúrio está situado em um ótimo ponto médio Sol/Vênus/Meio do Céu.

Na verificação da sinastria constatamos que Meio do Céu está em sextil à conjunção Vênus e Mercúrio da primeira senhora e também em sextil ao Sol do Mapa Composto.

O mapa eleito deve ser apresentado e interpretado para o cliente, ou clientes, apontando as habilidades e as condições que precisam ser cuidadas e trabalhadas.  Porém, é conveniente lembrar ao cliente que por melhor que seja o mapa eleito ele não garante o sucesso, porque este dependerá da atuação pessoal com relação ao negócio, mas o mapa contribui para que o sucesso possa ser alcançado.

ELEIÇÃO DE LOCAL PARA ESTABELECIMENTO DO NEGÓCIO OU PARA ABERTURA DE FILIAL

Para este tipo de escolha vamos utilizar outro tipo de mapa, o do Espaço Local, ou Mapa do Horizonte, que representa a projeção real dos planetas nos 360º à volta do observador. Lembramos que o conceito do mapa do Espaço Local foi definido pelo americano Michael Erlwine nos anos 70.

Este mapa possui diversas aplicações, porém aqui vamos abordar apenas as direções dos planetas deste mapa com relação à cidade em estudo.

Para os interessados em saber um pouco mais a respeito deste tipo de mapa sugiro o artigo “O Mapa do Horizonte e suas Direções” que se encontra no site.

Para este trabalho é preciso obter o mapa da cidade e preparar o mapa do Espaço Local em transparência. Na transparência deve ser marcado o centro e traçadas linhas ligando os graus dos planetas e opostos, passando pelo  centro marcado.

Traçadas as linhas, a transparência está pronta para ser colocada sobre o mapa da cidade. O ponto central do mapa em transparência deve ser localizado sobre o ponto de encontro da latitude e longitude geográfica da cidade. O Norte do mapa do Espaço Local deve ser direcionado para o Norte indicado no mapa da cidade. Idealmente, deve ser utilizado o Norte verdadeiro e não o Norte magnético mas, se isto não for possível, o magnético pode ser utilizado.

Utilizando uma régua de um metro, podemos estender as linhas dos planetas do mapa do Espaço Local sobre o mapa da cidade.

As linhas atuam numa extensão de 80 km e dentro de uma faixa de 1,6 km para cada lado (cerca de 2º).

Cada planeta afetará as circunstâncias e eventos na direção que lhe corresponde de acordo com seus significados, mas considerando também  suas condições no contexto do Mapa Natal Eclíptico.

Um segundo ponto do mapa da cidade também deve ser utilizado: aquele que corresponde ao local da residência. Colocado sobre este novo ponto, o centro do mapa em transparência mostra as linhas sobre as quais a pessoa se desloca.

Vejamos o resumo do significado das linhas:

Sol – ressalta a individualidade e o contato com a autoridade pessoal. Esta linha possui maior força com relação às demais devido à possibilidade de aumentar o exercício da vontade.

Lua – a pessoa é mais passiva e receptiva. Ela é colocada em contato com seus ritmos internos e externos e memórias são lembradas.

Mercúrio – movimento e potencial mental estão aumentados. Outros são buscados para troca de informações e negociações, portanto favorece os negócios.

Vênus – a pessoa está mais ligada ao que dá prazer, à arte e à beleza. A socialização é acentuada e buscada a harmonia.

Marte – há assertividade, combatividade e pressa. Tensão em envolvimentos diretos

Júpiter – é uma linha que promove expansão e participação maior no mundo.

Saturno – condições sérias e preocupantes demandam esforço e atuação pragmática.

Urano – o inesperado costuma estar presente. Esta linha promove excitação, mas também transtornos. Não é uma linha para circular diariamente.

Netuno – a imaginação e a fantasia são ativadas e podem apresentar-se falsas expectativas e experiências confusas.

Plutão – ativa a compulsão e o envolvimento com situações de massa ou, ao contrário, há um sentimento de separação dos outros. Nesta direção podem ocorrer situações misteriosas .

A linha dos Nodos leva a contatos com pessoas e outros locais e, por este motivo, pode estar direcionada para aeroportos ou rodoviárias.

Na escolha do local para estabelecimento de um negócio ou de uma filial, a princípio as linhas de Mercúrio, Sol e Júpiter são as melhores. Mas a linha correspondente ao regente específico do negócio também deve ser considerada. Também é possível utilizar o ponto médio entre duas linhas.

De qualquer modo, a utilização das linhas também dependerá das condições dos astros no mapa natal uma vez que, como citamos antes, elas são carregadas para a direção. Assim, para uma pessoa que tem o Sol em oposição a Saturno, como veremos a seguir, a linha do Sol não será uma boa opção.

No caso de uma sociedade composta por duas pessoas, as linhas de ambas devem  ser utilizadas. Também testei com bom resultado a utilização das linhas do Mapa do Espaço Local Composto.  Neste caso, o Mapa de Relacionamento do inglês Ronald Davison é o único que permite a elaboração do Mapa do Espaço Local porque fornece os dados de data, latitude e longitude, o que não ocorre com o composto que utilizamos normalmente. De qualquer modo, é importante que o local escolhido seja satisfatório para as duas pessoas.

Observação: Na faixa terrestre situada entre as latitudes 28º Norte e 30º Sul, onde está localizado o Rio de Janeiro, com latitude 22°53’, podemos nos deparar com um problema para a utilização do Mapa do Espaço Local. Os planetas podem apresentar-se agrupados próximos aos pontos Leste-Oeste e isto impossibilita o direcionamento das linhas dos planetas. Quando isto ocorre, a sugestão do próprio Michael Erlwine é utilizar o Mapa do Primeiro Vertical, que, na verdade, é parecido com o Mapa Natal Eclíptico.

EXEMPLO DE ESCOLHA DE LOCAL

Um cliente solicitou assessoria para abrir a primeira filial de seu comércio de bicicletas.

ELETIV5

O Mapa do Espaço Local apresenta o problema dos planetas agrupados,  apenas a oposição de Marte com Júpiter está separada, portanto é necessário utilizar o Mapa do Primeiro Vertical.

ELETIV6ELETIV7

A escolha do cliente recaiu em uma grande loja no Leblon, onde passa a linha da oposição Marte/Júpiter. Chamamos sua atenção para a possibilidade de uma ação mal preparada e exagerada. Nessa ocasião, ele desistiu do negócio e fez uma nova escolha, uma loja menor no bairro do Méier, porém o novo local estava muito próximo da linha da oposição Sol/Saturno. Avisamos então que o local não tinha boas indicações porque o esforço seria grande e paciência e persistência necessárias, porém com o tempo um resultado razoável poderia ser alcançado.

O cliente decidiu abrir o negócio e foi escolhida uma data favorável para a abertura. Em dois anos um resultado razoável foi alcançado, mas era sempre muito difícil para ele deslocar-se para ir à loja e em geral enviava outra pessoa. Após 5 anos, o cliente decidiu fechar a filial do Méier para  abrir em outro local. Mais uma vez, estimulado pela linha Marte/Júpiter, a opção recaiu no Leblon. Voltamos a chamar sua atenção com relação à tendência ao exagero e mal preparo. Desta vez ele não desistiu. Montou a loja e gastou quatro vezes o que havia sido planejado. Por causa disto, teve que vender seu único imóvel, onde morava com a família e que havia levado anos  para comprar.

A obra atrasou muito e não foi possível abrir no tempo programado, evitando entrar no período da retrogradação de Marte. O planeta vermelho permanece retrógrado cerca de 80 dias e o cliente afirmou que seria impossível aguardar todo este tempo e decidiu abrir assim mesmo. Considerando esta condição inaceitável desistimos de fazer a eleição para a abertura mas, em função de ser um cliente de muitos anos, orientamos apenas com relação à Lua Crescente  e à eliminação da Lua fora de curso.

A nova loja jamais deu o resultado esperado e por pouco não levou o cliente à falência. Após 7 anos, ele ainda não conseguiu quitar todas as  dívidas que teve que fazer com os bancos.

No local da loja original, que existe há mais de 30 anos, não há nenhuma linha planetária, porém isto não é problema, mas a passagem de uma linha difícil  torna as condições complicadas.

Observação: Também é possível utilizar as direções do Mapa do Espaço Local para outras cidades e países. Estas direções devem ser consideradas como complemento para a Astrocartografia, mas apresentam uma vantagem com relação a ela. No caso do Espaço local, as linhas partem de uma dada cidade em relação ao mundo e, mudando de cidade, as direções mudam, enquanto na Astrocartografia as linhas de Ascensão, Culminação e Ocaso partem de posições próximas aos pólos e são sempre as mesmas, independente da cidade. Mas isto está citado apenas para incentivar a curiosidade porque não será abordada aqui.

BIBLIOGRAFIA

Eletiva

Bruce Scofield, The Timing of Events: Electional Astrology, Astrolabe, Orleans, MA, Estados Unidos, 1986.
Juan Estadella, Astrología Empresarial, Ediciones Obelisco, Barcelona, España, 2008.

Espaço Local

Michael Erlwine, Astro-Physical Directions, Ann Arbor MI, USA, 1977.
Martin Davis, Astrolocality Astrology, The Wessex Astrologer Ltd, 1999.

 

Rio de Janeiro, 20 de outubro de 2013

É proibida a reprodução parcial ou total deste texto.