Artigos

A Importância das Partes no Mapa Natal

Celisa Beranger em 6 de setembro de 2007

(Palestra no 9º Simpósio Nacional do SINARJ – 19/08/2007)

Origem

As Partes não devem ser designadas como árabes porque são bem anteriores ao acolhimento e desenvolvimento da Astrologia por esta cultura.

As Partes são uma das ferramentas mais antigas da Astrologia. O astrólogo Vettius Valens, do século II, refere-se à existência de partes nos antigos tratados de Nechepso e Petosiris, mas Paulus Alexandrinus, do século IV, em suasQuestões Introdutórias   afirma que a obra primordial das partes é o Panaretus  de Hermes Trimegistos.

Na verdade, as partes já eram utilizadas por todos os autores clássicos dos primórdios da Astrologia Helenística: Dorotheus de Sidón, Vettius Valens, Firmicus Maternus, Paulus Alexandrinus e Hephaistos.  Ptolomeu considerou apenas a Parte da Fortuna e por este motivo, durante séculos, a grande maioria dos astrólogos,  supôs que  ela esta a única parte original e as demais teriam sido desenvolvidas pelos árabes.

Partes ou lotes

Em nossas pesquisas comprovamos que as partes são anteriores à utilização das casas e foram criadas para possibilitar a interpretação de assuntos específicos na vida pessoal.  Dorotheus de Sidón, do século I, prioriza a utilização das partes como complementação obrigatória para o significador natural planetário na interpretação de qualquer questão.  Por exemplo: Para ver as condições da mãe o significador natural é a Lua, mas a parte da Mãe também precisa ser utilizada.

Posteriormente, com o desenvolvimento das casas, as partes continuaram a ser utilizadas em conjunto com elas, de modo a particularizar ou complementar um determinado assunto. No caso do exemplo citado acima, a casa 4, que indica as condições familiares, foi acrescida à Lua e a Parte da Mãe.

Existem partes para todo e qualquer assunto, e embora os árabes tenham criado um sem número delas para obter respostas às perguntas horárias, Olyumpiodorus, do século VI, em seu comentário às Questões Introdutórias  de Paulus Alexandrinus, enumera  145 partes correspondentes aos mais   diversos temas: Adultério, Acusação, Felicidade do Casamento, Traição, etc…

As partes podem ser descritas como graus sensíveis do zodíaco que expressam a relação entre dois significadores, que podem ser dois planetas, um planeta e uma cúspide ou um planeta e uma outra parte. A distância entre estes dois significadores é aplicada a um terceiro fator, normalmente o Ascendente. Ele é este terceiro fator porque marcando a primeira respiração, que indica o começo da vida, também deve indicar o começo de quase todas as questões.

Contudo, nos primórdios as partes não possuíam um grau especifico, eram representadas pelo signo inteiro. Assim, tudo o que estava contido no signo estava co-presente. Aliás, sabemos que inicialmente também o Ascendente não era considerado por grau, mas por signo, uma vez que o primeiro sistema foi casa-signo, no qual cada casa correspondia a um signo, sendo a primeira aquela do  signo do Ascendente.

Fórmulas Diferenciadas: para nascimentos diurnos e noturnos

Desde os primórdios, à exceção de Ptolomeu, todos os autores consideravam a diferença entre    nascimentos diurnos – com o Sol  acima do horizonte – e noturnos – com o Sol  abaixo do horizonte.

Na fórmula noturna, a sequencia dos significadores da fórmula diurna é invertida e com isto a distância entre eles passa a ser o complemento do arco utilizado na fórmula diurna com relação aos 360º. Alterada a distância o arco é  somado ao Ascendente. Entretanto, há uma outra maneira de considerar o cálculo para nascimentos noturnos, usando a mesma distância da fórmula diurna e  neste caso,  ao invés de  somar o arco ao Ascendente ele  é  subtraído dele.

 partes

Partes dos 7 planetas 

Já incluídas no Panaretus.
Fórmulas diurnas

Lua  – Parte da Fortuna  – ASC + ( Lua  –  Sol )
Sol  – Parte do Espírito – ASC + (Sol  – Lua)
Mercúrio- Parte da Necessidade  – ASC + (PF – Mercúrio)
Vênus – Parte de Eros ou do Amor  – ASC + (Vênus   –  PE )
Marte – Parte da Coragem – ASC + (PF  –  Marte)
Júpiter – Parte da Vitória  – ASC + (Júpiter  – PE )
Saturno – Parte de Nêmesis  – ASC + (PF  – Saturno)

Significados das 7 partes dos planetas 

Dentre estas 7 partes  Fortuna e Espírito, correspondentes aos  luminares, possuem prioridade sobre as demais e, como podemos ver, elas participam dos significadores das partes dos 5 planetas. A Parte da Fortuna integra as fórmulas de Mercúrio, Marte e Saturno e a do Espírito as fórmulas de Vênus e Júpiter.

Como Fortuna e Espírito utilizam os mesmos significadores, Sol e Lua, elas são simétricas e complementares com relação ao eixo Ascendente – Descendente. Para nascimentos noturnos a Parte da Fortuna corresponde à parte do Espírito em nascimentos diurnos.  Aqueles que nasceram com o Sol abaixo do horizonte e tiverem calculado a Parte da Fortuna pela fórmula única, que é diurna, encontraram na realidade a Parte do Espírito.

Significados das 7 partes dos planetas 

FORTUNA (Lua) – significa tudo o que diz respeito ao corpo físico, à própria vida e ao seu curso, indicando também as ações através da vida. Durante o desenvolvimento da vida ela torna-se, indicativa de aquisições, reputação e privilegio.

ESPÍRITO (Sol) – refere-se à alma, o intelecto, o temperamento e todas as capacidades pessoais. Ela também participa da consideração do que a pessoa faz durante a vida.

NECESSIDADE (Mercúrio) – representa as lutas e contendas, os inimigos, a desestabilização. Contudo, há um outro enfoque que indica que o significado de Necessidade corresponde à importância da  utilização da palavra.

EROS (Vênus) – refere-se aos apetites inconscientes e aos desejos conscientes, as amizades, favores e o amor erótico.

CORAGEM (Marte) – indicativa de temeridade, valentia, poder e infâmia.

VITÓRIA (Júpiter) – refere-se à fé, otimismo, confiança e toda e qualquer associação. Também é responsável por empreendimentos e recompensas.

NÊMESIS (Saturno) – indica  impotência, exílio, destruição, dor e qualidade da morte.

Importância de Fortuna e Espírito 

Na verdade, inicialmente, as Partes ou Lotes da Fortuna e do Espírito, possuíam a mesma importância dada ao ASCENDENTE, SOL e LUA. Contudo, há uma  pequena prioridade da Fortuna com relação ao Espírito.

Comparando a Parte da Fortuna com o Ascendente, uma vez que ambos estão relacionados ao corpo físico, a Fortuna corresponde ao veículo físico que assumimos no nascimento, enquanto o Ascendente corresponde ao corpo enquanto entidade biológica.

As condições da Fortuna no mapa natal indicam nosso fado, nossas condições materiais de felicidade, bem estar físico, dinheiro, êxito material e outras bênçãos recebidas que independem do nosso esforço pessoal.

È válido lembra que na Roma imperial houve uma deusa da Fortuna, que presidia todos os acontecimentos e era o símbolo do capricho e do arbitrário que comanda a existência, ou melhor, o acaso. Frequentemente ela era representada com os olhos vendados e nas mãos segurava uma cornucópia de onde saiam os bens e os males que distribuía, e um timão, para indicar que ela guiava a vida dos homens.

A parte do Espírito, também designada como Parte do Daimon, no sentido de força e poder (nada tendo a ver com demônio), está relacionada com nosso estado interno, nossas intenções e pensamentos, com o que queremos realizar na vida. Como afirmou Firmicus Maternus, a parte do Espírito corresponde “à essência ou sustentação da alma”.

Comparando Fortuna e Espírito, o argentino Eduardo Gramaglia, diz que enquanto a Fortuna corresponde à causa material o Espírito corresponde à causa formal e final daquilo que podemos fazer para que possamos nos converter no que essencialmente já somos. Provavelmente, por um motivo semelhante ao apresentado por Gramaglia, Guido Bonatus, do século XIII, denominou a Parte do Espírito como Pars Futurorum, ou melhor, aquela que está orientada para o futuro.

Portanto podemos dizer que a Fortuna corresponde ao que recebemos ao nascermos e o Espírito àquilo que podemos desenvolver durante a vida.

Para interagir com os significados destas duas partes, Fortuna e Espírito, nos lembramos de um enfoque apresentado por Renato Janine Ribeiro,  em seu livro  “A Última Razão dos Reis” :

Maquiavel diz que nossas ações se diluem entre as que a fortuna governa e as regidas pela “virtú”, mas que é possível – especialmente pela audácia – aumentar a parte das que dependem de nós e reduzir a das que nos escapam.

Para Maquiavel, numa certa medida, a “virtú” pode moldar a Fortuna.

Aliás, neste livro, Renato Janine afirma que “A Astrologia nos permitirá, quem sabe, melhor compreensão da fortuna”.

As 4 Partes sugeridas por Valens

Para a análise da sorte na vida, renome e capacidades, Vettius Valens sugere a utilização conjunta de Fortuna e Espírito com as partes da Exaltação e da Base. Sem dúvida, esta sugestão não elimina a consideração de Valens quanto à necessidade do estudo das condições dos luminares para avaliação do potencial para brilho, poder e autoridade na vida.

Exaltação:
ASC + (19º de Áries – Sol) Diurna
ASC  + (3º de Touro – Lua) Noturna

Observação: No texto de Valens não aparecem os graus de exaltação porque eram considerados  os signos inteiros, masem Paulus Alexandrinus eles já estão presentes.

Base:
ASC + ( PE – PF) Diurna
ASC  + (PF – PE) Noturna

Na interação entre estas 4 partes há condições que aumentam a sorte  e o renome:
 Quando os dispositores destas 4 partes se encontrarem em suas    dignidades ou no mesmo signo das respectivas partes.
 Intercâmbios, conexões e uniões, por presença ou aspecto entre estas partes e seus regentes tornam o nascimento proeminente.
 Isto será ainda mais marcante se estas partes receberem bons aspectos dos luminares.

Outras utilizações para a Parte da Fortuna

Como  Ascendente, dando origem a um outro mapa

Manilius, do século I, já havia sugerido a utilização da Fortuna como Ascendente, mas Valens, no livro 2 de suaAnthologiae,  é muito mais enfático:

“A Fortuna mesma possui o poder do Horoskópos (Ascendente), ou da vida. O décimo signo a partir da mesma será o da reputação, o sétimo terá o poder do Descendente e os restantes o poder das outras dez regiões”.

Segundo Valens a localização de um planeta no signo da Parte da Fortuna dá ao planeta a mesma força de um localizado no signo do Ascendente.

Valens chama atenção para a importância do décimo primeiro lugar a partir da Fortuna como Ascendente, ou melhor, o décimo primeiro signo considerando aquele onde a Fortuna se encontra. A este lugar Valens denomina como o da Aquisição e da Prosperidade.

Já comprovamos a importância da indicação de Valens.

Por exemplo: um senhor que teve um começo de vida muito difícil, tendo perdido o pai muito cedo teve que começar a trabalhar aos 8 anos de idade, mas  é muito bem sucedido no sentido de aquisições e prosperidade. Em seu mapa natal há um stellium em Libra na casa 12, mas considerando a Fortuna (que está em Sagitário na casa 2) como Ascendente, seu stellium está exatamente no décimo primeiro lugar, aquele  da Aquisição e Prosperidade.

Na verdade, embora a sugestão de Valens tenha sido para a Parte da Fortuna, qualquer parte pode ser utilizada como Ascendente visando a obtenção de mais informações a respeito de um tema específico.

Como Afeta ou Hyleg

A Parte da Fortuna é um dos pontos utilizados na determinação do doador da vida, denominado Hyleg ou Afeta, porque em sua relação com o corpo físico, indica saúde, vitalidade e longevidade. Valens  utiliza as direções da Fortuna em um de seus métodos para a determinação da extensão da vida.

Nas Revoluções Solares

Guido Bonatus, do século XIII, em seu Tratado das Partes enfatiza a importância das condições da Parte da Fortuna nas Revoluções solares para avaliação do potencial do ano e posteriormente outros estudiosos desenvolveram esta questão.

Seguindo o indicado pela francesa Marie -Thérèse des Longchamps comprovamos  a importância dos assuntos da casa onde se localiza a Parte da Fortuna na Revolução Solar, que no contexto da casa natal sobre a qual ela se superpõe, normalmente indica um acontecimento importante no ano.

Grupo de Estudos 

Entre março de 2006 e maio de 2007 o grupo de estudos do Espaço do Céu, promoveu uma pesquisa das partes em todos os autores clássicos e também nos árabes Al Biruni e Ali Ben Ragel. Uma das grandes questões verificadas foi a  divergência com relação aos significadores que compõem as partes.

Partes indispensáveis aos relacionamentos humanos

Estas partes são utilizadas por todos os autores da astrologia clássica, mas até mesmo nestas foram encontradas divergências:

Formulas Diurnas:
PAI – Asc + ( Saturno  – Sol)
Alternativas para  quando Saturno estiver sob os raios solares
Asc + (Júpiter – Marte)  Dorotheus
Asc + (Júpiter – Sol) ValensMÃE – Asc + ( Lua – Vênus)
IRMÃOS – Asc + (Júpiter – Saturno). FILHOS  – Asc + (Saturno – Júpiter).

Existem autores que utilizam fórmulas diferentes para Filhos e Filhas.

CASAMENTO –  Varia muito de um autor para outro

Dorotheus:
Asc + (Vênus – Saturno)
Vênus + (Sol – Lua)
Asc + (Vênus – Desc)

Valens:
Asc + (Vênus – Júpiter)

A grande maioria dos autores faz distinção de sexo.

Valens:
Casamento para Homens –   Asc + (Vênus – Sol)
Casamento para Mulheres  – Asc + ( Marte – Lua)

Paulus, depois seguidas pelos árabes:
Casamento para Homens – Asc + (Vênus – Saturno)
Casamento para Mulheres – Asc+ (Saturno – Vênus)

Considerações para interpretação das partes:

Parte propriamente dita

Casa-signo (as mais fortes são as angulares: 1,4,7 e 10. 5 e 11 são muito favoráveis por serem os júbilos de Júpiter e Vênus .

Aspecto da parte ao seu regente a fortalece. Aspectos ao Sol, Lua, Júpiter ou Vênus a favorece.

Regente do signo da Parte:  

Condições por signo.
Casa – Signo.
Aspecto com a parte (signo inteiro).
Outros aspectos.
Casa – signo considerando a parte como Ascendente.

 Significadores
Observaçâo: Dependendo das boas ou das más condições da parte poderemos julgar se o assunto se desenvolverá de modo positivo, se está enfraquecido ou se será impedido.

Um planeta em aspecto, orbe muito próximo, com a parte indicará experiências marcantes, boas ou difíceis, com relação ao assunto em questão.

Condições de favorecimento:
No mesmo signo do dispositor se este estiver em domicilio ou exaltação.
No mesmo signo de Júpiter ou Vênus.
No mesmo signo das partes da Fortuna ou do Espírito.
Em aspecto harmônico com o regente da Parte
O regente da parte em bom aspecto com Vênus ou Júpiter.
Significadores dignificados, fortalecidos por casa, em bom aspecto entre si.
Em um signo que forma aspecto favorável com a Parte.

importancia_partes2

Fortuna a 19º 16’ Peixes – situada em uma  casa angular, 4, que a fortalece. Além de situada no mesmo signo de Vênus está em conjunção exata com ela. Portanto Vênus possui a força de uma conjunção ao Ascendente. Esta senhora realmente parece ter Vênus no Ascendente, é muito bonita, atraente, delicada e habilidosa em todos os relacionamentos. Fortuna faz trígono com seu regente, Júpiter, exaltado em Câncer, se considerarmos a Parte como Ascendente Júpiter está na casa 5.

Espírito a 1º47’ de Libra – no décimo primeiro signo a partir do Ascendente, aquele do Bom Espírito, por ser o júbilo de Júpiter. O signo da parte tem ligação com os signos do Sol, Lua e Júpiter. Vênus, regente está exaltada em Peixes na casa 4. O regente não aspecta a parte mas está favorecida pelo trígono a Júpiter.

Exaltação a 27º01”Peixes – favorecida por estar no mesmo signo da Fortuna e de Vênus e em trígono, por signo, a Júpiter que  rege a parte.

Base a 13º24’ Gêmeos – na casa 7 que é forte. Está no signo de Marte em trígono ao signo da Lua. Mercúrio, regente da parte, está em uma boa casa, a 5, fazendo sextil com a parte.

Há intercâmbio entre as partes da Fortuna, Espírito e Exaltação, apenas a base não interage com as demais. Contudo, podemos dizer que há sorte e potencial para desenvolvimento. Esta senhora teve um começo de vida difícil, mas a vida possibilita que ela continue evoluindo e cada vez mais desenvolva suas capacidades.

Programas de computador 

Encontramos as partes em alguns programas de computador, mas é necessário verificar quais fórmulas estão sendo utilizadas.

De qualquer modo, uma integrante do grupo de estudos está elaborando um programa com as fórmulas originais, que em breve estará disponível.

O desenvolvimento das Partes

Além da importância no Mapa Natal, durante a vida as partes também podem ser movimentadas. Os antigos as desenvolviam através das ascensões dos signos, direções e profecções. Estes movimentos indicam acontecimentos relacionados aos assuntos específicos da parte.

Também podemos utilizar as direções secundárias do regente da parte. Suas direções  ao significador natural do assunto, à própria parte natal, ao Ascendente ou seu regente, podem desencadear eventos importantes com relação ao tema da parte.

Também os trânsitos sobre as partes podem ser utilizados.

Conclusão

A grande questão é que na analise de qualquer assunto, casamento, filhos, amigos, etc, para saber o que realmente se passará durante a vida, além do significador natural do assunto e da casa devemos utilizar também a Parte correspondente à questão.

Bibliografia
Carmen Astrologicum – Dorotheus de Sidón – Ascella
The Anthology -Books I to VII – Vettius Valens – Project Hindsight
Late Classical Astrology: Pulus Alexandrinus and Olympiodorus – ARHAC
The book of Instruction in the Elements of the Art of Astrology – Al Biruni – Ascella
La Clé Perdue de la Prediction – Robert Zoller- contém o Tratado das Partes de Guido Bonatus – La Roue Céleste- Dervy-Livres.
Astrologia Hermetica – Eduardo Gramglia – Editorial Kier

branco

Rio 06 de setembro de 2007.

É proibida a reprodução total ou parcial deste texto.